Letra: Renato Guimarães
Música: Fernando Corona
 
Intérprete:: Bebeto Alves

No aterro a céu aberto
moscas tontas zumbirão.

Vira-latas todos perto
a esperar os caminhões
carregados de cabeças
e corações

Doce mundo dos insetos
com seu cheiro, seu odor
vão apodrecendo o feto,
triste fruto do amor

O aterro sanitário
cobre toda a podridão
cobre a moral inorgânica
que enterrou a multidão
tudo podre no aterro,
tudo em decomposição
donde surge sem um vício
uma flor para dar início
a uma nova geração.

Teclados: Fernando Corona
Guitarra: Totonho Vileroy
Baixo: Everson Vargas
Bateria: Zé Montenegro
Arranjo: Fernando Corona