Letra: Ivo Ladislau/Elton Saldanha
Música: Elton Saldanha
Intérprete: Pedro Guisso

A forte lestada açoita a lagoa…
A dança das águas é um imenso solfejo.
No braço do rio se vem a canoa…
As ondas no casco estalam seus beijos.

Alguém assovia uma canção praieira.
No homem um dilema vagueia o interior;
Nem sempre ele pode “vará” a lagoa,
É o risco, é a sina de ser pescador.

Pescador, pescador,
A grande lagoa,
Às vezes é boa,
Às vezes nos leva,
Pras malhas da dor.

“As veis” a canoa volta vazia,
Varal por um fio num rancho a lo léu,
E a rede de espera, fincada lá fora,
Divárdi, de ventos mandados do Céu.

Canoeiro, canoeiro
Canoeiro, canoeiro, vai
Não é nada esta lestada
Vai na proa busca a rede, vai
Pior é ficar na praia,
Esse vento é uma “navaia”
Parece um amor desfeito
E como dói…