(Carlos Catuípe/ Ivo Ladislau)
Intérprete:Loma
Ritmo:Fado
Osório – Capão da Canoas – RS

Na minha tez escura,
Corre sangue lusitano,
Minha avó toda ternura,
Meu avô todo cigano…

Minha mãe tristeza linda,
Fruto paixão proibida,
Foi marcada pela vida,
Eu herdei suas feridas.

Eu me chamo Simeana,
Parda forra, fui batisada!
Mas existe quem me ama
Apesar de deserdada…

Eu me chamo Simeana,
Mescla de ginga e bailado,
Flor negra, meio lusitana,
Trago um sonho alforriado.

Eu me chamo Simeana,
O amor palpita no peito.
Me libertei dos grilhões,
Fiquei presa a preconceitos.

-Um tambor e um bamdolim,
Fazem um bom casamento?
Uns dizem não, eu digo sim:
-O que vale é o sentimento…

Deixei lá meus desalentos,
Numa curva do passado.
Voltam em certos momentos,
Tocando em mim este fado.

Vocal e Violão: Carlos Catuipe
Bandolim: Adão Leal Menger
Contra-baixo: Gilberto Almeida.

 

SIMEANA
Classificado como: