Milonga

Letra: Gilberto Carvalho
Música: Ewerton Ferreira
Intérprete: Flora Almeida

…Estão velando restos de silêncio
Ou será que a vida foi embora?
— Apenas o cochicho de alpargatas
Passeia nos meus passos rancho à fora!

Nem as rolinhas arrulham no arvoredo,
Nem o sogueiro vem resfolegar,
Depois de andar “borracho” de mormaços
O dia foi na noite descansar.

(estribilho)
E me dou conta então que este silêncio
Não é de um mundo que chegasse ao fim.
é o tempo ternamente aquerenciando
A estrada que procuro para mim.

Parece que do ar tirou-se o som
Ou será que eu ensurdeci?
— Não estalam as lenhas no fogão
E a labareda baila quieta em si!

Quem sabe se de tanto ouvir barulhos
Pra sufocar angústias do caminho
Foi que perdi as sensações mais simples
Que hoje regressam porque estou sozinho?!

(estribilho)
E me dou conta então que este silêncio
Não é de um mundo que chegasse ao fim.
É o lento despertar de um novo dia
Da vida nova que acordei pra mim!

Roberto Thiesen: violão
Vitor Peixoto: teclados
Ana Lúcia Louro: flauta
Amauri Iablonowski: flauta e piccolo