Letra: Robson Barenho
Música: Talo Pereyra
Intérprete: João de Almeida Neto

Paixões de roça e de mar
acordam ventos gerais
se é noite de delirar
amar demais.
Paixões de roça e de mar
acalmam os quatro ventos
se é noite só de ninar
com beijos lentos.

Nas horas de dizer nada
por falta de alguém que ouça
perfuma-se aquela moça
que tem paixão cultivada.
eu homem às vezes rude
às vezes macio de chuva
virá com flores de açude
desejos e cachos de uvas.

Nas horas de dizer nada
por falta de quem responda
perfuma-se aquela amada
que tem paixão vinda em ondas.
sou homem de gestos largos
(que assim o mar acostuma)
virá com dedos de espuma
cair em rede de afagos.

Paixões de roça e de mar…

PAIXÕES DE ROÇA E DE MAR
Classificado como: