Letra e Música: Mauro Moraes
Intérprete: Neto Fagundes/ Luiz Carlos Borges

Como se o sorriso me enxugasse os olhos
Como se o destino me apontasse o mundo
Amontoei uns troços apalpando a gaita
E descobri o pago em cena!
Encilhei o cavalo,
E me toquei pro campo
Se não fosse o gado,
Eu não seria tanto
Pra manter as tralhas no meu coração!!

Como a manada me pealasse a rima
Como se o galpão me sujeitasse o canto,
Amuntei no tempo sem olhar o pêlo
Do amanhã que eu mas queria!
Amaguei a mágoa
Chamuscando uns ciscos,
E sove! o pala,
Amigando o vício
De “atola” na alma tanta inspiração!!

Coisas destes fronteiros,
Que iguais a nós
Tem o sul por vida!
E passam uma eternidade
Matando a saudade numa coxilha…
Coisas destes campeiros,
De fala mansa,
__ Não tem de quê!
Coisas destes paysanos,
Que aquerenciamos num chamamé!!

Acordeon e Voz Solol: Luiz Carlos Borges
Violão e Voz Solo: Neto Fagundes
Percussão e Vocal: Ernesto Fagundes
Bateria: Ricardo Arenhaudt
Baixo: Renato Mujeiko
Arranjo: Coletivo

O SUL POR VIDA
Classificado como: