(Mauro Moraes)
Intérprete: José Claudio Machado

Me atrevi perguntar,
a peonada de prosa,
o que faço da vida…
e entreguei a palavra,
do meu coração,
ao violão que aguardava,
num canto do rancho…
a questão é saber,
se deixar envolver,
pelo bem, pelo mal,
mas que tal:
se o galpão pede lenha,
a saudade uma senha,
e a vida um buçal…

Por meu lado a tristeza,
asentou no silêncio,
umas quantas de lua…
e marcou na paleta,
as tropilhas que a dor,
lastimou no cavalo,
as pechadas da lida…
as razões que se tem,
me castiga o chapéu,
de tormenta e suor,
mas o pior!
é cuidar da manada,
quando a tropa desgarra,
com o focinho no sal!

Amada, apura!
me serve um mate…
enquanto late a cachorrada,
lambendo a baba,
o gado mostra,
que a vida gosta,
um pouco mais…
Ademais amor,
ademais amor!
a poesia tem planos,
pra nossa dor! 

Violão Base: Mauro Moraes
Violão Base: Carlos Madruga
Violão Solo: Diamandú Costa
Acordeon: Beto Caetano
Baixo: Clóvis Boca Freire
Bateria: Alemão M’bororé
Arranjo: Beto Caetano

 

LÁSTIMA
Classificado como: