Letra: Renato Júnior 
Música: Cássio Ricardo
 
Interpretação: Renato Júnior

“É impressionante como num mesmo lugar
Pode-se encontrar pessoas tão diferentes…
O gordo, o magro, o feio,
o belo, o reto, o torto,
negro, branco e amarelo…
Todos, iguais perante a lei… é iguais!!!
Todos vizinhos neste…
como diria Severino… é difícil Brasil!”
Seu “doto” peço desculpa
Por entrar neste recinto
Eu, um homem mal vestido,
Frente a um senhor tão distinto.
Mas é preciso que alguém
Lhe conte as novidades!
Quem vive no andar de baixo
Hoje é só felicidade!!
As “cosa” vem melhorando
A “fartura” predomina
O pessoal anda “de varde”
Escorado nas “esquina”.
 
Água é “moda” do passado
 
Quero que o senhor veja,
 
Não há quem ande na rua
 
Sem latinha de cerveja.
 
O salário dá e sobra
 
O biscate é diversão
 
Com o suor do trabalho
 
Ninguém “passa” precisão
 
A saúde, hoje em dia,
 
Segue forte e renovada
 
Por ser tão eficiente
 
Faz “fila” nas “madrugada”, Seu “doto”!
Seu “doto” peço desculpa,
 
Por entrar nesse recinto
 
Eu, um homem mal vestido,
 
Frente a um senhor tão distinto.
 
Mas é preciso que alguém
 
Lhe conte as novidades!
 
Quem vive no andar de baixo
 
Hoje é só felicidade!!
 
Segurança, nem lhe falo,
Já bateram o martelo
 
Não há bandido lá foi
 
Só o poder paralelo.
 
Todo mundo se ajuda
 
Por caridade ou capricho
 
Tudo que sobra na mesa
 
Vira banquete no lixo
 
Então veja seu “doto’
 
Tudo agora é diferente
 
Não existe mais motivo
 
Pra viver longe da gente
 
Deixe o seu escritório
 
Aqui pertinho do céu
 
Hoje a noite vá lá em casa
Temos sopa de papel Seu “doto”!

Pandeiro: Giovanni Berti 
Flauta: Luizinho Santos
 
Cavaco: Cássio Ricardo

EDIFÍCIO BRASIL
Classificado como: