(Mauro Marques e Chico Saratt)
Intérprete:
 Chico Saratt
São Leopoldo e Porto Alegre – RS

Cansei da vida perversa
que a vida, sofrida, assume;
da eterna mesa vazia,
 
do sol a esconder seu lume.
 
Cansei das falsas promessas,
 
dos engodos desses planos,
 
da tola crença de um povo,
 
dos finais em desenganos.
 
Cansei dos tantos senhores…
 
mesmos nomes,
 
novas caras:
dos santos camaleônicos,
fantasias… coisas raras!
 
Cansei das indiferenças,
 
dessa sina amarga e crua,
da criança seminua
 
a se perder nas esquinas.
Cansei das mesmas andanças…
 
cansei de enfartar artérias,
de replantar esperanças
pra sempre colher misérias.
 
Cansei de mandar pra o espaço
 
a gana da rebeldia:
de ficar cruzando os braços,
dia e noite, noite e dia…
quem sabe desse cansaço,
desperte o grito de “basta”,
 
o estouro do cimbronaço,
a ventania que arrasta?
 
Quem sabe a voz do vento
 
ecoe na inconciência,
 
movendo velhos moinhos,
parados pela dormência?
 
quem sabe a alma se agite
sem esperar o que aconteça
e a noite veja seu dia,
mesmo antes que amanheça!

Baixo: Clóvis Boca Freire
Teclados: Ricardo Freire
Bateria: Marcelo Freitas
Violão: Mauro Marques
Arranjo: Ricardo Freire e Dado Jaeger

 

CANSAÇOS
Classificado como: