Se hoje o barco em que eu navego

                   Já não teme singrar águas revoltas

                   É porque as curvas misteriosas desse rio

                   (que há tempos já não nego)

                   Sabem há muito que estou pronto

                   E que vou assim ao seu encontro

                   Corpo leve, alma aberta, velas soltas

                   Se hoje as pedras que eu enxergo

                   Já não podem desviar-me do caminho

                   É porque eu já sei do imenso desafio

                   De receber bem menos do que entrego

                   De ver que são complexos os amores

                   Pois só sabe dar valor ao mel das flores

                   Quem entende a razão dos seus espinhos.

                   Mas confesso, se eu pudesse

                   Eu voltava pra esse tempo

                   De pandorga solta ao vento

                   Onde nem o tempo havia

                   Quando a alma tinha asas

                   Onde o mundo era as casas

                   A vida o sol de cada dia

                   Se hoje as pedras que eu enxergo

                   Já não podem desviar-me do caminho

                   É porque eu já sei do imenso desafio

                   De receber bem menos do que entrego

                   De ver que são complexos os amores

                   Pois só sabe dar valor ao mel das flores

                   Quem entende a razão dos seus espinhos.

                   Mas confesso, se eu pudesse

                   (só, talvez, por um segundo)

                   Eu voltava pra esse mundo

                   Onde iniciei meu destino

                   Quando a vida tinha asas

                   Onde ainda junto às casas

                   Estão meus passos de menino

APRENDIZAGEM
Classificado como: